Outro

Planos de restaurantes para inflação de commodities, aumentos de preços no cardápio

Planos de restaurantes para inflação de commodities, aumentos de preços no cardápio



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Muitos na indústria de restaurantes olharão para trás em 2011 como um ano de recuperação que foi prejudicado pela disparada dos custos das commodities e cautela sobre o aumento dos preços do cardápio - um movimento que muitos temiam assustaria os consumidores ainda temerosos de gastar.

No início de 2012, retroceda e pressione play: mais do mesmo é esperado.

Depois de um ano em que muitas redes relataram inflação da cesta de alimentos de 5% ou mais, a perspectiva para o ano que vem é de que esses custos diminuam apenas ligeiramente. Um relatório recente do banco de investimento Barclays Capital projetou uma inflação de custo de alimentos ano a ano entre 3 por cento e 5 por cento para restaurantes em 2012.

Outros são menos otimistas. A Fitch Ratings, um mercado global, opinião de crédito e agência de pesquisa, espera que os custos com alimentos e bebidas dos EUA para restaurantes aumentem 5% ou mais em 2012, principalmente como resultado de proteínas mais caras. Isso deixa muitas redes de restaurantes lutando para decidir se - e como - aumentar os preços do cardápio no próximo ano.

“O desafio estratégico fundamental que enfrentamos este ano é como atender à crescente necessidade de acessibilidade exigida por nossos hóspedes, ao mesmo tempo em que protegemos nossas margens, dada a significativa inflação dos custos das commodities”, disse o presidente e diretor de operações da Darden Restaurants Inc., Drew Madsen. mês, durante teleconferência de resultados com investidores.

De fato, em um webinar no início deste ano, Warren Solochek, vice-presidente de desenvolvimento de clientes da empresa de pesquisa de mercado The NPD Group, alertou que os consumidores em 2012 devem permanecer atentos aos preços - e isso é parcialmente culpa da indústria de restaurantes.

“A indústria de restaurantes fez um trabalho muito bom em sensibilizar os consumidores americanos sobre o preço, e fizemos isso por meio de muita publicidade e muita promoção que foi específica para faixas de preço”, disse Solochek. “Isso suprimirá a oportunidade que as operadoras terão de aproveitar os preços gerais.”

Restaurantes Descrevem Planos de Preços

O relatório do Barclays projetou que os preços do menu em toda a indústria aumentarão em média 2 por cento em 2012, e os aumentos provavelmente ocorrerão no início do ano, quando a inflação das commodities deverá ser maior.

Madsen, da Darden, disse que o plano da empresa é manter um aumento anual de preços entre cerca de 2% e 3% para o ano fiscal de 2012, o que, disse ele, “nos permitirá proteger as equações de valor do hóspede que acreditamos serem fundamentais para a marca de longo prazo vibração."


Como um aumento potencial na inflação afetará nossas contas de alimentos e investimentos

Ninguém está animado ainda, mas a inflação está gradualmente recuando e pode se tornar um fator importante na política monetária no próximo ano.

O Statistics Canada informou na semana passada que o índice de preços ao consumidor subiu 2,2% em março, a taxa mais alta em mais de um ano. Dada a enorme quantidade de estímulo fiscal nos últimos 12 meses, combinada com a política de taxa de juros quase zero do Banco do Canadá, um pico de inflação dificilmente chega como uma surpresa.

A questão é: o que estamos vendo no futuro? O Banco do Canadá disse recentemente que nos próximos meses a taxa aumentará “temporariamente” para o limite superior de sua faixa de controle de 1-3 por cento. Ele está projetando que até 2023 a inflação estará em uma média de 2,4 por cento, acima do ponto médio de sua meta. O que ele planeja fazer a respeito? Mais do que a maioria das pessoas esperava.

A declaração de política da semana passada preparou o terreno para uma possível mudança para taxas mais altas no final deste ano. O Banco Mundial elevou sua perspectiva de crescimento do PIB no Canadá este ano para 6,5% e reduziu seu programa de flexibilização quantitativa - o primeiro banco central a fazê-lo desde o início da pandemia. Alguns analistas agora projetam um aumento de 0,25 ponto percentual no final deste ano, seguido por mais dois ou três em 2022.

O Conselho do Federal Reserve dos EUA está assumindo uma posição mais dovish. O presidente Jerome Powell disse que qualquer aumento na inflação não durará o suficiente para comprometer a meta de 2% do Fed.

Curiosamente, há muitos sinais de que a inflação está se acomodando no núcleo da economia e que enfrentamos a perspectiva de alta de preços nos próximos meses. A Procter & amp Gamble anunciou na semana passada que planeja aumentar os preços na faixa de um dígito médio a alto em uma ampla gama de itens de consumo em setembro, incluindo produtos para bebês, fraldas para adultos e itens de higiene feminina. A empresa sediada em Cincinnati também fabrica marcas populares como detergente Tide, lâminas de barbear Gillette, Bounce, Old Spice e muito mais.

A empresa citou maiores custos com materiais como celulose e resina, além de maiores custos de transporte.

“Este é um dos maiores aumentos nos custos de commodities que vimos ao longo do período em que estive envolvido nisso”, disse o chefe operacional da P & ampG, Jon Moeller, ao The Wall Street Journal. Ele está na empresa há 33 anos.

Mais cedo, a Kimberly-Clark anunciou que está aumentando os preços na faixa de um dígito médio a alto na maioria de seus produtos vendidos no Canadá e nos EUA no final de junho. A empresa disse que a mudança era necessária “para ajudar a compensar a inflação significativa dos custos das commodities”. Os aumentos se aplicarão aos mesmos tipos de produtos segmentados pela P & ampG.

Outras empresas como Coca-Cola, Conagra e Smucker também alertaram para aumentos de preços.

Enquanto isso, a escassez global de semicondutores ameaça elevar os preços de uma ampla gama de produtos, de carros a telefones celulares. E os preços das commodities estão subindo rapidamente. O cobre, que é considerado um termômetro, subiu cerca de 22% no acumulado do ano. Os preços da madeira subiram mais de 50%. No geral, o Refinitiv / Core Commodity CRB Index subiu mais de 15 por cento no acumulado do ano e está à frente de cerca de 74 por cento de sua baixa de 52 semanas. Ele acompanha o desempenho de 19 commodities, desde alumínio até trigo.

Todos esses são indicadores preocupantes. O Fed continua nos dizendo que a inflação não será uma grande preocupação no futuro previsível. Mas o Banco do Canadá e o mundo real estão enviando uma mensagem diferente.

Se o medo da inflação se firmar entre os investidores, isso aumentará os rendimentos dos títulos soberanos. Já vimos o efeito negativo que isso pode ter sobre os preços das ações.

Jamie Dimon, CEO do JPMorgan Chase, acha que estamos caminhando para uma economia Goldilocks. Pode ser. Mas um rápido aumento da inflação pode ter o efeito de transformar a Cachinhos Dourados em um urso.


Como um aumento potencial na inflação afetará nossas contas de alimentos e investimentos

Ninguém está animado ainda, mas a inflação está gradualmente recuando e pode se tornar um fator importante na política monetária no próximo ano.

O Statistics Canada informou na semana passada que o índice de preços ao consumidor subiu 2,2 por cento em março, a maior taxa em mais de um ano. Dada a enorme quantidade de estímulo fiscal nos últimos 12 meses, combinada com a política de taxa de juros quase zero do Banco do Canadá, um pico de inflação dificilmente chega como uma surpresa.

A questão é: o que estamos vendo no futuro? O Banco do Canadá disse recentemente que nos próximos meses a taxa aumentará “temporariamente” para o limite superior de sua faixa de controle de 1-3 por cento. Ele está projetando que até 2023 a inflação estará em uma média de 2,4 por cento, acima do ponto médio de sua meta. O que ele planeja fazer a respeito? Mais do que a maioria das pessoas esperava.

A declaração de política da semana passada preparou o terreno para uma possível mudança para taxas mais altas no final deste ano. O Banco Mundial elevou sua perspectiva de crescimento do PIB no Canadá este ano para 6,5% e reduziu seu programa de flexibilização quantitativa - o primeiro banco central a fazê-lo desde o início da pandemia. Alguns analistas agora projetam um aumento de 0,25 ponto nas taxas ainda este ano, seguido por mais dois ou três em 2022.

O Conselho do Federal Reserve dos EUA está assumindo uma posição mais dovish. O presidente Jerome Powell disse que qualquer aumento na inflação não durará o suficiente para comprometer a meta de 2% do Fed.

Curiosamente, há muitos sinais de que a inflação está se acomodando no núcleo da economia e que enfrentamos a perspectiva de alta de preços nos próximos meses. A Procter & amp Gamble anunciou na semana passada que planeja aumentar os preços na faixa de um dígito médio a alto em uma ampla gama de itens de consumo em setembro, incluindo produtos para bebês, fraldas para adultos e itens de higiene feminina. A empresa sediada em Cincinnati também fabrica marcas populares como detergente Tide, lâminas de barbear Gillette, Bounce, Old Spice e muito mais.

A empresa citou maiores custos com materiais como celulose e resina, além de maiores custos de transporte.

“Este é um dos maiores aumentos nos custos de commodities que vimos ao longo do período em que estive envolvido nisso”, disse o chefe operacional da P & ampG, Jon Moeller, ao The Wall Street Journal. Ele está na empresa há 33 anos.

Mais cedo, a Kimberly-Clark anunciou que está aumentando os preços na faixa de um dígito médio a alto na maioria de seus produtos vendidos no Canadá e nos EUA no final de junho. A empresa disse que a mudança era necessária “para ajudar a compensar a inflação significativa dos custos das commodities”. Os aumentos se aplicarão aos mesmos tipos de produtos segmentados pela P & ampG.

Outras empresas como Coca-Cola, Conagra e Smucker também alertaram para aumentos de preços.

Enquanto isso, a escassez global de semicondutores ameaça elevar os preços de uma ampla gama de produtos, de carros a telefones celulares. E os preços das commodities estão subindo rapidamente. O cobre, que é considerado um termômetro, subiu cerca de 22% no acumulado do ano. Os preços da madeira subiram mais de 50%. No geral, o Refinitiv / Core Commodity CRB Index subiu mais de 15 por cento no acumulado do ano e está à frente de cerca de 74 por cento de sua baixa de 52 semanas. Ele acompanha o desempenho de 19 commodities, desde alumínio até trigo.

Todos esses são indicadores preocupantes. O Fed continua nos dizendo que a inflação não será uma grande preocupação no futuro previsível. Mas o Banco do Canadá e o mundo real estão enviando uma mensagem diferente.

Se o medo da inflação se firmar entre os investidores, isso aumentará os rendimentos dos títulos soberanos. Já vimos o efeito negativo que isso pode ter sobre os preços das ações.

Jamie Dimon, CEO do JPMorgan Chase, acha que estamos caminhando para uma economia Goldilocks. Pode ser. Mas um rápido aumento da inflação pode ter o efeito de transformar a Cachinhos Dourados em um urso.


Como um aumento potencial na inflação afetará nossas contas de alimentos e investimentos

Ninguém está animado ainda, mas a inflação está gradualmente recuando e pode se tornar um fator importante na política monetária no próximo ano.

O Statistics Canada informou na semana passada que o índice de preços ao consumidor subiu 2,2% em março, a taxa mais alta em mais de um ano. Dada a enorme quantidade de estímulo fiscal nos últimos 12 meses, combinada com a política de taxa de juros quase zero do Banco do Canadá, um pico de inflação dificilmente chega como uma surpresa.

A questão é: o que estamos vendo no futuro? O Banco do Canadá disse recentemente que nos próximos meses a taxa aumentará “temporariamente” para o limite superior de sua faixa de controle de 1-3 por cento. Ele está projetando que até 2023 a inflação estará em uma média de 2,4 por cento, acima do ponto médio de sua meta. O que ele planeja fazer a respeito? Mais do que a maioria das pessoas esperava.

A declaração de política da semana passada preparou o terreno para uma possível mudança para taxas mais altas no final deste ano. O Banco Mundial elevou sua perspectiva de crescimento do PIB no Canadá este ano para 6,5% e reduziu seu programa de flexibilização quantitativa - o primeiro banco central a fazê-lo desde o início da pandemia. Alguns analistas agora projetam um aumento de 0,25 ponto percentual no final deste ano, seguido por mais dois ou três em 2022.

O Conselho do Federal Reserve dos EUA está assumindo uma posição mais dovish. O presidente Jerome Powell disse que qualquer aumento na inflação não durará o suficiente para comprometer a meta de 2% do Fed.

Curiosamente, há muitos sinais de que a inflação está se acomodando no núcleo da economia e que enfrentamos a perspectiva de alta de preços nos próximos meses. A Procter & amp Gamble anunciou na semana passada que planeja aumentar os preços na faixa de um dígito médio a alto em uma ampla gama de itens de consumo em setembro, incluindo produtos para bebês, fraldas para adultos e itens de higiene feminina. A empresa sediada em Cincinnati também fabrica marcas populares como detergente Tide, lâminas de barbear Gillette, Bounce, Old Spice e muito mais.

A empresa citou maiores custos com materiais como celulose e resina, além de maiores custos de transporte.

“Este é um dos maiores aumentos nos custos de commodities que vimos ao longo do período em que estive envolvido nisso”, disse o chefe operacional da P & ampG, Jon Moeller, ao The Wall Street Journal. Ele está na empresa há 33 anos.

Mais cedo, a Kimberly-Clark anunciou que está aumentando os preços na faixa de um dígito médio a alto na maioria de seus produtos vendidos no Canadá e nos EUA no final de junho. A empresa disse que a mudança era necessária “para ajudar a compensar a inflação significativa dos custos das commodities”. Os aumentos se aplicarão aos mesmos tipos de produtos segmentados pela P & ampG.

Outras empresas como Coca-Cola, Conagra e Smucker também alertaram para aumentos de preços.

Enquanto isso, a escassez global de semicondutores ameaça elevar os preços de uma ampla gama de produtos, de carros a telefones celulares. E os preços das commodities estão subindo rapidamente. O cobre, que é considerado um termômetro, subiu cerca de 22% no acumulado do ano. Os preços da madeira subiram mais de 50%. No geral, o Refinitiv / Core Commodity CRB Index subiu mais de 15 por cento no acumulado do ano e está à frente de cerca de 74 por cento de sua baixa de 52 semanas. Ele acompanha o desempenho de 19 commodities, desde alumínio até trigo.

Todos esses são indicadores preocupantes. O Fed continua nos dizendo que a inflação não será uma grande preocupação no futuro previsível. Mas o Banco do Canadá e o mundo real estão enviando uma mensagem diferente.

Se o medo da inflação se firmar entre os investidores, isso aumentará os rendimentos dos títulos soberanos. Já vimos o efeito negativo que isso pode ter sobre os preços das ações.

Jamie Dimon, CEO do JPMorgan Chase, acha que estamos caminhando para uma economia Goldilocks. Pode ser. Mas um rápido aumento da inflação pode ter o efeito de transformar a Cachinhos Dourados em um urso.


Como um aumento potencial na inflação afetará nossas contas de alimentos e investimentos

Ninguém está animado ainda, mas a inflação está gradualmente recuando e pode se tornar um fator importante na política monetária no próximo ano.

O Statistics Canada informou na semana passada que o índice de preços ao consumidor subiu 2,2 por cento em março, a maior taxa em mais de um ano. Dada a enorme quantidade de estímulo fiscal nos últimos 12 meses, combinada com a política de taxa de juros quase zero do Banco do Canadá, um pico de inflação dificilmente chega como uma surpresa.

A questão é: o que estamos vendo no futuro? O Banco do Canadá disse recentemente que nos próximos meses a taxa aumentará “temporariamente” para o limite superior de sua faixa de controle de 1-3 por cento. Ele está projetando que até 2023 a inflação estará em uma média de 2,4 por cento, acima do ponto médio de sua meta. O que ele planeja fazer a respeito? Mais do que a maioria das pessoas esperava.

A declaração de política da semana passada preparou o terreno para uma possível mudança para taxas mais altas no final deste ano. O Banco Mundial elevou sua perspectiva de crescimento do PIB no Canadá este ano para 6,5% e reduziu seu programa de flexibilização quantitativa - o primeiro banco central a fazê-lo desde o início da pandemia. Alguns analistas agora projetam um aumento de 0,25 ponto percentual no final deste ano, seguido por mais dois ou três em 2022.

O Conselho do Federal Reserve dos EUA está assumindo uma posição mais dovish. O presidente Jerome Powell disse que qualquer aumento na inflação não durará o suficiente para comprometer a meta de 2% do Fed.

Curiosamente, há muitos sinais de que a inflação está se acomodando no núcleo da economia e que enfrentamos a perspectiva de alta de preços nos próximos meses. A Procter & amp Gamble anunciou na semana passada que planeja aumentar os preços na faixa de um dígito médio a alto em uma ampla gama de itens de consumo em setembro, incluindo produtos para bebês, fraldas para adultos e itens de higiene feminina. A empresa sediada em Cincinnati também fabrica marcas populares como detergente Tide, lâminas de barbear Gillette, Bounce, Old Spice e muito mais.

A empresa citou maiores custos com materiais como celulose e resina, além de maiores custos de transporte.

“Este é um dos maiores aumentos nos custos de commodities que vimos ao longo do período de tempo em que estive envolvido nisso”, disse o chefe operacional da P & ampG, Jon Moeller, ao The Wall Street Journal. Ele está na empresa há 33 anos.

Mais cedo, a Kimberly-Clark anunciou que está aumentando os preços na faixa de um dígito médio a alto na maioria de seus produtos vendidos no Canadá e nos EUA no final de junho. A empresa disse que a mudança era necessária “para ajudar a compensar a inflação significativa dos custos das commodities”. Os aumentos se aplicarão aos mesmos tipos de produtos segmentados pela P & ampG.

Outras empresas como Coca-Cola, Conagra e Smucker também alertaram para aumentos de preços.

Enquanto isso, a escassez global de semicondutores ameaça elevar os preços de uma ampla gama de produtos, de carros a telefones celulares. E os preços das commodities estão subindo rapidamente. O cobre, que é considerado um termômetro, subiu cerca de 22% no acumulado do ano. Os preços da madeira subiram mais de 50%. No geral, o Refinitiv / Core Commodity CRB Index subiu mais de 15 por cento no acumulado do ano e está à frente de cerca de 74 por cento de sua baixa de 52 semanas. Ele acompanha o desempenho de 19 commodities, desde alumínio até trigo.

Todos esses são indicadores preocupantes. O Fed continua nos dizendo que a inflação não será uma grande preocupação no futuro previsível. Mas o Banco do Canadá e o mundo real estão enviando uma mensagem diferente.

Se o medo da inflação se firmar entre os investidores, isso aumentará os rendimentos dos títulos soberanos. Já vimos o efeito negativo que isso pode ter sobre os preços das ações.

Jamie Dimon, CEO do JPMorgan Chase, acha que estamos caminhando para uma economia Goldilocks. Pode ser. Mas um rápido aumento da inflação pode ter o efeito de transformar a Cachinhos Dourados em um urso.


Como um aumento potencial na inflação afetará nossas contas de alimentos e investimentos

Ninguém está animado ainda, mas a inflação está gradualmente recuando e pode se tornar um fator importante na política monetária no próximo ano.

O Statistics Canada informou na semana passada que o índice de preços ao consumidor subiu 2,2% em março, a taxa mais alta em mais de um ano. Dada a enorme quantidade de estímulo fiscal nos últimos 12 meses, combinada com a política de taxa de juros quase zero do Banco do Canadá, um pico de inflação dificilmente chega como uma surpresa.

A questão é: o que estamos vendo no futuro? O Banco do Canadá disse recentemente que nos próximos meses a taxa aumentará “temporariamente” para o limite superior de sua faixa de controle de 1-3 por cento. Ele está projetando que até 2023 a inflação estará em uma média de 2,4 por cento, acima do ponto médio de sua meta. O que ele planeja fazer a respeito? Mais do que a maioria das pessoas esperava.

A declaração de política da semana passada preparou o terreno para uma possível mudança para taxas mais altas no final deste ano. O Banco Mundial elevou sua perspectiva de crescimento do PIB no Canadá este ano para 6,5% e reduziu seu programa de flexibilização quantitativa - o primeiro banco central a fazê-lo desde o início da pandemia. Alguns analistas agora projetam um aumento de 0,25 ponto percentual no final deste ano, seguido por mais dois ou três em 2022.

O Conselho do Federal Reserve dos EUA está assumindo uma posição mais dovish. O presidente Jerome Powell disse que qualquer aumento na inflação não durará o suficiente para comprometer a meta de 2% do Fed.

Curiosamente, há muitos sinais de que a inflação está se acomodando no núcleo da economia e que enfrentamos a perspectiva de alta de preços nos próximos meses. A Procter & amp Gamble anunciou na semana passada que planeja aumentar os preços na faixa de um dígito médio a alto em uma ampla gama de itens de consumo em setembro, incluindo produtos para bebês, fraldas para adultos e itens de higiene feminina. A empresa sediada em Cincinnati também fabrica marcas populares como detergente Tide, lâminas de barbear Gillette, Bounce, Old Spice e muito mais.

A empresa citou maiores custos com materiais como celulose e resina, além de maiores custos de transporte.

“Este é um dos maiores aumentos nos custos de commodities que vimos ao longo do período de tempo em que estive envolvido nisso”, disse o chefe operacional da P & ampG, Jon Moeller, ao The Wall Street Journal. Ele está na empresa há 33 anos.

Mais cedo, a Kimberly-Clark anunciou que está aumentando os preços na faixa de um dígito médio a alto na maioria de seus produtos vendidos no Canadá e nos EUA no final de junho. A empresa disse que a mudança era necessária “para ajudar a compensar a inflação significativa dos custos das commodities”. Os aumentos se aplicarão aos mesmos tipos de produtos segmentados pela P & ampG.

Outras empresas como Coca-Cola, Conagra e Smucker também alertaram para aumentos de preços.

Enquanto isso, a escassez global de semicondutores ameaça elevar os preços de uma ampla gama de produtos, de carros a telefones celulares. E os preços das commodities estão subindo rapidamente. O cobre, que é considerado um termômetro, subiu cerca de 22% no acumulado do ano. Os preços da madeira subiram mais de 50%. No geral, o Refinitiv / Core Commodity CRB Index subiu mais de 15 por cento no acumulado do ano e está à frente de cerca de 74 por cento de sua baixa de 52 semanas. Ele acompanha o desempenho de 19 commodities, desde alumínio até trigo.

Todos esses são indicadores preocupantes. O Fed continua nos dizendo que a inflação não será uma grande preocupação no futuro previsível. Mas o Banco do Canadá e o mundo real estão enviando uma mensagem diferente.

Se os temores de inflação se firmarem entre os investidores, isso aumentará os rendimentos dos títulos soberanos. Já vimos o efeito negativo que isso pode ter sobre os preços das ações.

Jamie Dimon, CEO do JPMorgan Chase, acha que estamos caminhando para uma economia Goldilocks. Pode ser. Mas um rápido aumento da inflação pode ter o efeito de transformar a Cachinhos Dourados em um urso.


Como um aumento potencial na inflação afetará nossas contas de alimentos e investimentos

Ninguém está animado ainda, mas a inflação está gradualmente recuando e pode se tornar um fator importante na política monetária no próximo ano.

O Statistics Canada informou na semana passada que o índice de preços ao consumidor subiu 2,2% em março, a taxa mais alta em mais de um ano. Dada a enorme quantidade de estímulo fiscal nos últimos 12 meses, combinada com a política de taxa de juros quase zero do Banco do Canadá, um pico de inflação dificilmente chega como uma surpresa.

A questão é: o que estamos vendo no futuro? O Banco do Canadá disse recentemente que nos próximos meses a taxa aumentará “temporariamente” para o limite superior de sua faixa de controle de 1-3 por cento. Ele está projetando que até 2023 a inflação estará em uma média de 2,4 por cento, acima do ponto médio de sua meta. O que ele planeja fazer a respeito? Mais do que a maioria das pessoas esperava.

A declaração de política da semana passada preparou o terreno para uma possível mudança para taxas mais altas no final deste ano. O Banco Mundial elevou sua perspectiva de crescimento do PIB no Canadá este ano para 6,5% e reduziu seu programa de flexibilização quantitativa - o primeiro banco central a fazê-lo desde o início da pandemia. Alguns analistas agora projetam um aumento de 0,25 ponto percentual no final deste ano, seguido por mais dois ou três em 2022.

O Conselho do Federal Reserve dos EUA está assumindo uma posição mais dovish. O presidente Jerome Powell disse que qualquer aumento na inflação não durará o suficiente para comprometer a meta de 2% do Fed.

Curiosamente, há muitos sinais de que a inflação está se acomodando no núcleo da economia e que enfrentamos a perspectiva de alta de preços nos próximos meses. A Procter & amp Gamble anunciou na semana passada que planeja aumentar os preços na faixa de um dígito médio a alto em uma ampla gama de itens de consumo em setembro, incluindo produtos para bebês, fraldas para adultos e itens de higiene feminina. A empresa sediada em Cincinnati também fabrica marcas populares como detergente Tide, lâminas de barbear Gillette, Bounce, Old Spice e muito mais.

A empresa citou maiores custos com materiais como celulose e resina, além de maiores custos de transporte.

“Este é um dos maiores aumentos nos custos de commodities que vimos ao longo do período de tempo em que estive envolvido nisso”, disse o chefe operacional da P & ampG, Jon Moeller, ao The Wall Street Journal. Ele está na empresa há 33 anos.

Mais cedo, a Kimberly-Clark anunciou que está aumentando os preços na faixa de um dígito médio a alto na maioria de seus produtos vendidos no Canadá e nos EUA no final de junho. A empresa disse que a mudança era necessária “para ajudar a compensar a inflação significativa dos custos das commodities”. Os aumentos se aplicarão aos mesmos tipos de produtos segmentados pela P & ampG.

Outras empresas como Coca-Cola, Conagra e Smucker também alertaram para aumentos de preços.

Enquanto isso, a escassez global de semicondutores ameaça elevar os preços de uma ampla gama de produtos, de carros a telefones celulares. E os preços das commodities estão subindo rapidamente. O cobre, que é considerado um termômetro, subiu cerca de 22% no acumulado do ano. Os preços da madeira subiram mais de 50%. No geral, o Refinitiv / Core Commodity CRB Index subiu mais de 15 por cento no acumulado do ano e está à frente de cerca de 74 por cento de sua baixa de 52 semanas. Ele acompanha o desempenho de 19 commodities, desde alumínio até trigo.

Todos esses são indicadores preocupantes. O Fed continua nos dizendo que a inflação não será uma grande preocupação no futuro previsível. Mas o Banco do Canadá e o mundo real estão enviando uma mensagem diferente.

Se o medo da inflação se firmar entre os investidores, isso aumentará os rendimentos dos títulos soberanos. Já vimos o efeito negativo que isso pode ter sobre os preços das ações.

Jamie Dimon, CEO do JPMorgan Chase, acha que estamos caminhando para uma economia Goldilocks. Pode ser. Mas um rápido aumento da inflação poderia ter o efeito de transformar a Cachinhos Dourados em um urso.


Como um aumento potencial na inflação afetará nossas contas de alimentos e investimentos

Ninguém está animado ainda, mas a inflação está gradualmente recuando e pode se tornar um fator importante na política monetária no próximo ano.

O Statistics Canada informou na semana passada que o índice de preços ao consumidor subiu 2,2% em março, a taxa mais alta em mais de um ano. Dada a enorme quantidade de estímulo fiscal nos últimos 12 meses, combinada com a política de taxa de juros quase zero do Banco do Canadá, um pico de inflação dificilmente chega como uma surpresa.

A questão é: o que estamos vendo no futuro? O Banco do Canadá disse recentemente que nos próximos meses a taxa aumentará “temporariamente” para o limite superior de sua faixa de controle de 1-3 por cento. Ele está projetando que até 2023 a inflação estará em uma média de 2,4 por cento, acima do ponto médio de sua meta. O que ele planeja fazer a respeito? Mais do que a maioria das pessoas esperava.

A declaração de política da semana passada preparou o terreno para uma possível mudança para taxas mais altas no final deste ano. O Banco Mundial elevou sua perspectiva de crescimento do PIB no Canadá este ano para 6,5% e reduziu seu programa de flexibilização quantitativa - o primeiro banco central a fazê-lo desde o início da pandemia. Alguns analistas agora projetam um aumento de 0,25 ponto percentual no final deste ano, seguido por mais dois ou três em 2022.

O Conselho do Federal Reserve dos EUA está assumindo uma posição mais dovish. O presidente Jerome Powell disse que qualquer aumento na inflação não durará o suficiente para comprometer a meta de 2% do Fed.

Curiosamente, há muitos sinais de que a inflação está se acomodando no núcleo da economia e que enfrentamos a perspectiva de alta de preços nos próximos meses. A Procter & amp Gamble anunciou na semana passada que planeja aumentar os preços na faixa de um dígito médio a alto em uma ampla gama de itens de consumo em setembro, incluindo produtos para bebês, fraldas para adultos e itens de higiene feminina. A empresa sediada em Cincinnati também fabrica marcas populares como detergente Tide, lâminas de barbear Gillette, Bounce, Old Spice e muito mais.

A empresa citou maiores custos com materiais como celulose e resina, além de maiores custos de transporte.

“Este é um dos maiores aumentos nos custos de commodities que vimos ao longo do período de tempo em que estive envolvido nisso”, disse o chefe operacional da P & ampG, Jon Moeller, ao The Wall Street Journal. Ele está na empresa há 33 anos.

Mais cedo, a Kimberly-Clark anunciou que está aumentando os preços na faixa de um dígito médio a alto na maioria de seus produtos vendidos no Canadá e nos EUA no final de junho. A empresa disse que a mudança era necessária “para ajudar a compensar a inflação significativa dos custos das commodities”. Os aumentos se aplicarão aos mesmos tipos de produtos segmentados pela P & ampG.

Outras empresas como Coca-Cola, Conagra e Smucker também alertaram para aumentos de preços.

Enquanto isso, a escassez global de semicondutores ameaça elevar os preços de uma ampla gama de produtos, de carros a telefones celulares. E os preços das commodities estão subindo rapidamente. O cobre, que é considerado um termômetro, subiu cerca de 22% no acumulado do ano. Os preços da madeira subiram mais de 50%. No geral, o Refinitiv / Core Commodity CRB Index subiu mais de 15 por cento no acumulado do ano e está à frente de cerca de 74 por cento de sua baixa de 52 semanas. Ele acompanha o desempenho de 19 commodities, desde alumínio até trigo.

Todos esses são indicadores preocupantes. O Fed continua nos dizendo que a inflação não será uma grande preocupação no futuro previsível. Mas o Banco do Canadá e o mundo real estão enviando uma mensagem diferente.

Se o medo da inflação se firmar entre os investidores, isso aumentará os rendimentos dos títulos soberanos. Já vimos o efeito negativo que isso pode ter sobre os preços das ações.

Jamie Dimon, o CEO do JPMorgan Chase, acha que estamos caminhando para uma economia Goldilocks. Pode ser. Mas um rápido aumento da inflação pode ter o efeito de transformar a Cachinhos Dourados em um urso.


Como um aumento potencial na inflação afetará nossas contas de alimentos e investimentos

Ninguém está animado ainda, mas a inflação está gradualmente recuando e pode se tornar um fator importante na política monetária no próximo ano.

O Statistics Canada informou na semana passada que o índice de preços ao consumidor subiu 2,2% em março, a taxa mais alta em mais de um ano. Dada a enorme quantidade de estímulo fiscal nos últimos 12 meses, combinada com a política de taxa de juros quase zero do Banco do Canadá, um pico de inflação dificilmente chega como uma surpresa.

A questão é: o que estamos vendo no futuro? O Banco do Canadá disse recentemente que nos próximos meses a taxa aumentará “temporariamente” para o limite superior de sua faixa de controle de 1-3 por cento. Ele está projetando que até 2023 a inflação estará em uma média de 2,4 por cento, acima do ponto médio de sua meta. O que ele planeja fazer a respeito? Mais do que a maioria das pessoas esperava.

A declaração de política da semana passada preparou o terreno para uma possível mudança para taxas mais altas no final deste ano. O Banco Mundial elevou sua perspectiva de crescimento do PIB no Canadá este ano para 6,5% e reduziu seu programa de flexibilização quantitativa - o primeiro banco central a fazê-lo desde o início da pandemia. Alguns analistas agora projetam um aumento de 0,25 ponto na taxa ainda este ano, seguido por mais dois ou três em 2022.

The U.S. Federal Reserve Board is taking a more dovish position. Chairman Jerome Powell has said that any rise in inflation won’t last long enough to compromise the Fed’s 2 per cent target.

Anecdotally, there are many signs that inflation is taking hold in the core economy and that we face the prospect of higher prices in the coming months. Procter & Gamble announced last week that it plans to raise prices in the mid- to high-single digit range on a wide range of consumer items in September, including baby products, adult diapers, and feminine care items. The Cincinnati-based company also manufactures popular brands like Tide detergent, Gillette razors, Bounce, Old Spice, and more.

The company cited higher costs for materials such as pulp and resin, as well as higher transportation costs.

“This is one of the biggest increases in commodity costs that we’re seen over the period of time that I’ve been involved with this,” P&G operating chief Jon Moeller told The Wall Street Journal. He has been with the company 33 years.

Earlier, Kimberly-Clark announced it is increasing prices in the mid- to high-single digit range on most of its products sold in Canada and the U.S. by late June. The company said the move was necessary “to help offset significant commodity cost inflation”. The hikes will apply to the same types of products targeted by P&G.

Other companies such as Coca-Cola, Conagra, and Smucker have also warned of price increases.

Meanwhile, the global shortage in semiconductors threatens to raise prices on a wide range of goods, from cars to cell phones. And commodity prices are rising rapidly copper, which is regarded as a bellwether, is up about 22 per cent year-to-date. Lumber prices have jumped more than 50 per cent. Overall, the Refinitiv/Core Commodity CRB Index is up more than 15 per cent year-to-date and is ahead about 74 per cent from its 52-week low. It tracks the performance of 19 commodities ranging from aluminum to wheat.

All these are worrisome indicators. The Fed keeps telling us inflation will not be a major concern for the foreseeable future. But the Bank of Canada and the real world are sending a different message.

If inflation fears take hold among investors, it will push the yields on sovereign bonds higher. We’ve already seen the negative effect that can have on stock prices.

Jamie Dimon, the CEO of JPMorgan Chase, thinks we are headed into a Goldilocks economy. Pode ser. But a rapid rise of inflation could have the effect of turning Goldilocks into a bear.


How a Potential Spike in Inflation Will Affect Our Grocery Bills and Investments

Nobody is getting excited yet, but inflation is gradually creeping back and could become a major factor in monetary policy within the next year.

Statistics Canada reported last week that the consumer price index rose 2.2 per cent in March, the highest rate in more than a year. Given the huge amount of fiscal stimulus over the past 12 months combined with the Bank of Canada’s near-zero interest rate policy, an inflation spike hardly comes as a surprise.

The question is: what are we looking at down the road? The Bank of Canada said recently that over the next few months the rate will “temporarily” rise to the top end of its 1-3 per cent control range. It’s projecting that by 2023 inflation will be averaging 2.4 per cent, above the mid-point of its target. What does it plan to do about it? More than most people expected.

Last week’s policy statement set the stage for a possible move to higher rates later this year. The Bank raised its outlook for GDP growth in Canada this year to 6.5 per cent and reduced its quantitative easing program — the first central bank to do so since the onset of the pandemic. Some analysts are now projecting a quarter-point rate hike later this year, followed by two or three more in 2022.

The U.S. Federal Reserve Board is taking a more dovish position. Chairman Jerome Powell has said that any rise in inflation won’t last long enough to compromise the Fed’s 2 per cent target.

Anecdotally, there are many signs that inflation is taking hold in the core economy and that we face the prospect of higher prices in the coming months. Procter & Gamble announced last week that it plans to raise prices in the mid- to high-single digit range on a wide range of consumer items in September, including baby products, adult diapers, and feminine care items. The Cincinnati-based company also manufactures popular brands like Tide detergent, Gillette razors, Bounce, Old Spice, and more.

The company cited higher costs for materials such as pulp and resin, as well as higher transportation costs.

“This is one of the biggest increases in commodity costs that we’re seen over the period of time that I’ve been involved with this,” P&G operating chief Jon Moeller told The Wall Street Journal. He has been with the company 33 years.

Earlier, Kimberly-Clark announced it is increasing prices in the mid- to high-single digit range on most of its products sold in Canada and the U.S. by late June. The company said the move was necessary “to help offset significant commodity cost inflation”. The hikes will apply to the same types of products targeted by P&G.

Other companies such as Coca-Cola, Conagra, and Smucker have also warned of price increases.

Meanwhile, the global shortage in semiconductors threatens to raise prices on a wide range of goods, from cars to cell phones. And commodity prices are rising rapidly copper, which is regarded as a bellwether, is up about 22 per cent year-to-date. Lumber prices have jumped more than 50 per cent. Overall, the Refinitiv/Core Commodity CRB Index is up more than 15 per cent year-to-date and is ahead about 74 per cent from its 52-week low. It tracks the performance of 19 commodities ranging from aluminum to wheat.

All these are worrisome indicators. The Fed keeps telling us inflation will not be a major concern for the foreseeable future. But the Bank of Canada and the real world are sending a different message.

If inflation fears take hold among investors, it will push the yields on sovereign bonds higher. We’ve already seen the negative effect that can have on stock prices.

Jamie Dimon, the CEO of JPMorgan Chase, thinks we are headed into a Goldilocks economy. Pode ser. But a rapid rise of inflation could have the effect of turning Goldilocks into a bear.


How a Potential Spike in Inflation Will Affect Our Grocery Bills and Investments

Nobody is getting excited yet, but inflation is gradually creeping back and could become a major factor in monetary policy within the next year.

Statistics Canada reported last week that the consumer price index rose 2.2 per cent in March, the highest rate in more than a year. Given the huge amount of fiscal stimulus over the past 12 months combined with the Bank of Canada’s near-zero interest rate policy, an inflation spike hardly comes as a surprise.

The question is: what are we looking at down the road? The Bank of Canada said recently that over the next few months the rate will “temporarily” rise to the top end of its 1-3 per cent control range. It’s projecting that by 2023 inflation will be averaging 2.4 per cent, above the mid-point of its target. What does it plan to do about it? More than most people expected.

Last week’s policy statement set the stage for a possible move to higher rates later this year. The Bank raised its outlook for GDP growth in Canada this year to 6.5 per cent and reduced its quantitative easing program — the first central bank to do so since the onset of the pandemic. Some analysts are now projecting a quarter-point rate hike later this year, followed by two or three more in 2022.

The U.S. Federal Reserve Board is taking a more dovish position. Chairman Jerome Powell has said that any rise in inflation won’t last long enough to compromise the Fed’s 2 per cent target.

Anecdotally, there are many signs that inflation is taking hold in the core economy and that we face the prospect of higher prices in the coming months. Procter & Gamble announced last week that it plans to raise prices in the mid- to high-single digit range on a wide range of consumer items in September, including baby products, adult diapers, and feminine care items. The Cincinnati-based company also manufactures popular brands like Tide detergent, Gillette razors, Bounce, Old Spice, and more.

The company cited higher costs for materials such as pulp and resin, as well as higher transportation costs.

“This is one of the biggest increases in commodity costs that we’re seen over the period of time that I’ve been involved with this,” P&G operating chief Jon Moeller told The Wall Street Journal. He has been with the company 33 years.

Earlier, Kimberly-Clark announced it is increasing prices in the mid- to high-single digit range on most of its products sold in Canada and the U.S. by late June. The company said the move was necessary “to help offset significant commodity cost inflation”. The hikes will apply to the same types of products targeted by P&G.

Other companies such as Coca-Cola, Conagra, and Smucker have also warned of price increases.

Meanwhile, the global shortage in semiconductors threatens to raise prices on a wide range of goods, from cars to cell phones. And commodity prices are rising rapidly copper, which is regarded as a bellwether, is up about 22 per cent year-to-date. Lumber prices have jumped more than 50 per cent. Overall, the Refinitiv/Core Commodity CRB Index is up more than 15 per cent year-to-date and is ahead about 74 per cent from its 52-week low. It tracks the performance of 19 commodities ranging from aluminum to wheat.

All these are worrisome indicators. The Fed keeps telling us inflation will not be a major concern for the foreseeable future. But the Bank of Canada and the real world are sending a different message.

If inflation fears take hold among investors, it will push the yields on sovereign bonds higher. We’ve already seen the negative effect that can have on stock prices.

Jamie Dimon, the CEO of JPMorgan Chase, thinks we are headed into a Goldilocks economy. Pode ser. But a rapid rise of inflation could have the effect of turning Goldilocks into a bear.


Assista o vídeo: PLANO DE MARKETING PARA BARES E RESTAURANTES (Agosto 2022).